Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Andreas Rinke

PARIS (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta sexta-feira que estava otimista de que o partido social-democrata, o SPD, aprovaria o início de negociações formais para uma coalizão com o partido conservador dela durante congresso que os sociais-democratas terão neste fim de semana.

Delegados do SPD votam no domingo se os seus líderes devem avançar com as negociações para renovar a aliança com os conservadores que governa a Alemanha desde 2013, após o partido ter chegado a um acordo preliminar na semana passada.

"Espero que depois das nossas conversas exploratórias intensas o congresso do SPD aprove as negociações para a coalizão", afirmou Merkel, em entrevista junto com o presidente da França, Emmanuel Macron. "Eu estou otimista."

Um voto contrário prolongaria o impasse político na maior economia da Europa, que está sem governo desde que a eleição em setembro enfraqueceu os dois blocos políticos.

Macron e o primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentilioni, pediram nesta sexta para que o SPD aprove as novas negociações, ressaltando a crescente inquietação por conta do impasse.

"Esse é o momento para as forças progressivas determinarem o destino da Europa", escreveu Gentiloni em artigo a ser publicado no sábado. "A contribuição das forças democráticas e socialistas é essencial para isso."

Contudo, o ex-ministro das Finanças Wolfgang Schaeuble, aliado de Merkel, descartou que haverá uma crise se a chanceler não conseguir um acordo com o SPD.

"Se der certo, isso é bom", disse ele à revista Focus. "Se não der certo, também não é uma catástrofe. Há outras maneiras para que funcione", acrescentou ele, sem especificar quais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters